segunda-feira, 9 de julho de 2012

domingo, 8 de julho de 2012

Projeto conto de fadas_ João e Maria

Projeto Conto de Fadas - João e Maria
Educação infantil
Conto: João e Maria – Irmãos Grimm





Este conto relata a aventura dos irmãos João e Maria, filhos de um pobre lenhador, que em acordo com a esposa, decide largá-los na floresta porque a família não tem condições para os manter. No caminho pela floresta, João e Maria espalham migalhas de pão. As migalhas, que é o detalhe mais conhecido e característico da obra, acabam por ser comidas pelos pássaros e com isso João e Maria acabam perdidos na floresta.
Na tentativa de encontrar o caminho de volta, as crianças encontram uma casa feita de doces e, com fome, começam a comer as guloseimas. São então recolhidos pela dona da casa que se revela uma bruxa. Ela planejava engordar as crianças para depois comer a sua carne. Enquanto João se alimentava e ia engordando, Maria trabalhava na casa para depois ser a próxima.
Porém, espertas, as crianças descobrem o plano da bruxa e a enganam atirando-a para dentro do próprio forno. Assim, livres, João e Maria são encontrados pelo pai, cuja mulher tinha morrido, e voltam para casa levando consigo provisões suficientes para o resto de suas vidas.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
1 AULA
1º passo_ Aproximar os alunos confortavelmente a você professor/ educador; 
2º passo_ Mostrar-lhes o livro e deixar que os observe e até mesmo manuseiem para lhes despertar a atenção sobre o mesmo; (Aproveitar o momento para conversar e falar sobre a importância do livro em si, citar os autores e com a biografia em mãos comentar sobre eles);
3º passo_  Valer-se desse momento, tirar algumas dúvidas que surgirem e instigar os alunos a participarem de uma conversação prazerosa sobre a apresentação do livro para que estes sintam curiosidade sobre a história;
4º passo_  Questione as crianças se elas conhecem João e Maria;

Conteúdos a serem explorados:
_ Oralidade;
_ Substantivos próprios: Nomes: João e Maria;
Desenvolver a aula explorando no contexto da sala os nomes dos alunos, instigando-os a falarem seus nomes e abordar a questão do sobrenome dos mesmos, pode-se inicialmente você próprio professor citar o seu para que os alunos percebam a importância e sua iniciativa;
Após, coletivamente escrever um cartaz dos seus nomes para expor na sala de aula, escrever em ordem alfabética destacando a primeira letra do nome de cada criança;
Dizer-lhes que todos estarão participando desta história então não poderia faltar nesta listagem o nome de João e Maria;
_ Gênero masculino e feminino: Menino e menina;
Conversar sobre os gêneros masculino e feminino: Quem é a menina da história? Quem é o menino? Por que você acha que Maria é a menina? ... Espera-se que eles percebam que não é só pelo nome e que falem sobre algumas características percebidas inicialmente só pela amostragem do livro ou pela percepção de vivência de cada aluno;
_ Sistema de numeração decimal – João e Maria: Quantas crianças? Duas – dois;
Escrever no quadro o número 2 ( Lembrando sempre que o aluno de Educação infantil não necessita registrar e que você tende a proporcionar para os mesmos um ambiente alfabetizador);
Pode-se neste momento construir um gráfico – meninos – meninas presentes na aula (Fazer a contagem oral).

2 AULA
1º passo_ Colocar uma música clássica para que os alunos relaxem;
2º passo_ Conversar com os alunos retomando a aula anterior, estimulando-os a falarem o que ocorreu, o que aprenderam, se gostaram ou não;
Espera-se que haja um envolvimento das crianças ao relatarem suas impressões sobre o projeto inicial;
3º passo_ Instigar os alunos a falarem o que gostariam de aprender sobre a história, se gostariam de conhecê-la;
4º passo_ Ler a história; ( Ler com conhecimento da mesma para que os alunos se sintam motivados a ouvi-la com atenção e participação);

Conteúdos a serem explorados:
_ Oralidade;
Dialogar sobres os personagens da história dando enfoque à família presente na mesma; Quem são? Qual o papel de cada um?
João e Maria são? Espera-se que as crianças digam que são irmãos;
Perguntar-lhes se eles tem irmãos; Deixar que falem livremente sobre os membros de sua família; (Lembrando que é regra falar um de cada vez).

ATIVIDADE
Entregar-lhes um sulfite, pedir-lhes que desenhem a família de João e Maria. ( Criação de desenho livre).
_ Expor na sala de aula. ( É muito importante, pois assim ele (aluno) se sentirá valorizado em suas produções.

3 AULA
1º passo_ Iniciar a aula cantando músicas infantis ( Como há muito repertório, seria interessante apresentar cantigas populares; Como sugestão para essa aula:
Se essa rua fosse minha
Se essa rua
Se essa rua fosse minha 
Eu mandava
Eu mandava ladrilhar
Com pedrinhas
Com pedrinhas de brilhante
Só pra ver
Só pra ver meu bem passar
Nessa rua
Nessa rua tem um bosque
Que se chama
Que se chama solidão
Dentro dele
Dentro dele mora um anjo
Que roubou
Que roubou meu coração
Se eu roubei
Se eu roubei teu coração
Tu roubaste
Tu roubaste o meu também
Se eu roubei
Se eu roubei teu coração
Foi porque
Só porque te quero bem
2º passo_ Apresentar novamente o livro e lê-lo, explorando a história e suas ilustrações;

3º passo_ Conversação sobre a história dando ênfase ao pai de João e Maria;
Como vocês acham que ele é? Por quê? Explorar características físicas (adjetivos), sentimentos; Espera-se que haja uma aula participativa e que os alunos percebam o papel desse pai na história;
4º passo_ Dialogar com os alunos sobre profissões; Pode-se iniciar este debate explorando sua própria profissão (professor); Retornar à história perguntando qual a profissão do pai de João e Maria (lenhador) – Explicar o que faz um lenhador; Trazer para a vivencia deles indagando sobre a profissão de seus pais; ( Tomar o máximo cuidado ao entrar no âmbito familiar dos alunos, pois algumas famílias são desestruturadas e algumas crianças podem não conhecer seus pais).

Conteúdos a serem explorados:
_ Características físicas (Adjetivos) – Alto- baixo- loiro-moreno... Etc.
Ao trabalhar as características, pode-se estar explorando na visão dos alunos a diferença entre o filho João e seu pai; Quem é alto? Qual deles é baixo? Por quê?
_ Profissões;
_História da família no contexto profissional.

ATIVIDADES
Com algumas revistas, encontrar junto com os alunos pessoas exercendo suas profissões; através de recorte e colagem montar um mural ( Pode-se utilizar cartolina para este trabalho); Após nomear oralmente com os alunos os profissionais encontrados e explorar o que cada um faz).



4 AULA –

Escrever João e Maria no quadro nomeando suas letras e contando quantas tem.
1º passo_ Colocar uma música em que a letra fale de família;

SUGESTÃO: Música de Régis Danese (Família), Música - Oração Pela Família (Padre Zezinho), Aline Barros – (Família), RAP DA FAMÍLIA - Diante do Trono

2º passo_ Contar a historia dramatizando os episódios e as falas; Errar voluntariamente algumas falas como: Era uma vez três crianças... ( Eles vão perceber o erro e falarão que eram duas); Ou, que se chamavam José e Maria ( Não é professora, é João e Maria); Fazer esse jogo até o final onde estará despertando a atenção do aluno para a história. ( Lembrar professor que ler não é o mesmo que contar) e nesta aula será contada a história.

Escrever FAMÍLIA no quadro nomeando suas letras e contando quantas tem.
3º passo_ Incitar os alunos a comentarem a história, conversar sobre a família citada na história; quem faz parte? Quais seus nomes? E amor, vocês acham que eles sentiam? O que é amor para vocês? Quais outros sentimentos bons que podemos sentir pelos outros? ( carinho, respeito, dedicação, atenção...); Deixar-lhes que debatam sobre esta conversa motivando-os sempre a falar o que sentem e o que sabem em sua vivência. Pode-se também comentar a letra da música apresentada ( O que fala? Personagens citados?).
4º passo_ Perguntar se algum aluno gostaria de falar sobre sua família ( Não interromper seu relato, mas motivá-lo a falar. Levá-los a compreender que mesmo que falte algum integrante importante na sua família, os que moram com ele(a) são partes de uma família e que há valores a serem considerados e respeitados;

Conteúdos a serem explorados:
_ Oralidade;
Dialogar sobre os personagens da história dando ênfase à família presente na mesma; Quem são? Qual o papel de cada um? E o pai? Quem é? Existe uma mãe na história? Onde ela estava? ( Entender que neste debate o aluno venha a perceber que existem vários tipos de família e é essencial que você professor comente sobre eles... ( Na história eram o pai, dois irmãos (João e Maria) e a madrasta); trazer para nossa vivência; Professor seria interessante você discorrer sobre sua família abordando somente o essencial;
_ Sistema de numeração decimal – quantidade;
_ Valores;
_ Musicalização;
_Criação de desenho.

ATIVIDADE
Entregar-lhes um sulfite, pedir-lhes que desenhem sua família. ( Criação de desenho livre).
Nomear com eles em suas produções o desenho referente a cada integrante.
_ Expor na sala de aula. ( É muito importante, pois assim ele (aluno) se sentirá valorizado em suas produções

CONTINUA...
Débora Francischini

terça-feira, 3 de julho de 2012

Textos variados - Interpretação de texto

A raposa e as Uvas

Uma raposa passou por baixo de uma parreira carregada de uvas. Ficou logo com muita vontade de apanhar as uvas para comer.
Deu muitos saltos, tentou subir na parreira, mas não conseguiu.
Depois de muito tentar foi-se embora, dizendo:
- Eu nem estou ligando para as uvas. Elas estão verdes mesmo...

                                     Ruth Rocha. Fábulas de Esopo, São Paulo, FTD,1992.

1- No texto acima, a expressão grifada SE substituiu:
a) a raposa
b) as uvas
c) a parreira
d) Ruth Rocha

2- Quem é a autora do texto?
a) A raposa
b) São Paulo
c) FTD
d) Ruth Rocha

Venha logo me visitar. Você vai ver que lindas praias temos no litoral de São Paulo.

3- De onde foi copiada esta frase?

a) anúncio
b) carta
c) jornal
d) livro

Naquela tarde, que estava chuvosa, saí com um vestido, que era vermelho, para visitar meu amigo, que estava resfriado. Na praça, que fica perto do cinema, encontrei minha tia, que ficou contente de me ver.

4- A que se refere a palavra que sublinhada no texto?

a) amigo resfriado
b) tarde chuvosa
c) tia contente
d) vestido vermelho

Querido Marcelo,

Parabéns por estar estudando mais. As suas notas até já melhoraram! Gostaria que, agora, você aumentasse um pouco o tamanho da sua letra. Ás vezes, fica difícil ler o que escreve de tão pequeno.

Um beijo da Professora Tereza

5- A palavra difícil no texto, tem o mesmo sentido que:

a) perigoso
b) improvável
c) complicado
d) desfavorável

Lúcia saiu de casa toda prosa, com seus sapatos novos. Estava se sentido uma princesa, com aqueles sapatinhos brancos! De repente... BRUM! Um trovão e, logo, logo, a maior chuva! “Meus sapatos!” Pensou ela, apavorada. Mas teve uma idéia: tirou os sapatos, escondeu-os embaixo do braço e seguiu seu caminho, descalça, brincando nas poças d’água.

6- Que solução Lúcia encontrou?

a) Esconder-se da chuva
b) Esperar a chuva passar
c) Limpar os sapatos novos
d) Tirar os sapatos novos

Valmir estava lendo uma revista e encontrou uma palavra que não conhecia.

7- Onde ele foi procurar o significado?
a) Atlas
b) Dicionário
c) Enciclopédia
d) Lista telefônica

Carmem pôs a sopa no prato de Carlinhos e ele reclamou:
- Sopa de novo? Esta casa parece um hospital...

8- O que Carlinhos quis dizer?
a) Ele não gosta de hospital
b) O prato está muito cheio
c) Sopa é comida de doente
d) Ninguém gosta de sopa.

Se eu fosse tomate

Se eu fosse um tomate ia ser duro, porque, sinceramente odeio tomate.
A pior coisa da vida, pior que chuva nas férias, nota baixa ou ser pego em flagrante, e a gente não gostar da gente mesmo.

9- Para o menino, qual é a pior coisa da vida:
a) nota baixa
b) não gostar da gente mesmo
c) ser pego em flagrante
d) chuva nas férias

Numa viagem de carro de São Paulo a Brasília, a gente atravessa os Estados de São Paulo, Minas Gerais e Goiás, até chegar ao Distrito Federal. Pode-se passar umas horas divertidas em Araxá, Minas Gerais, que tem um balneário muito interessante. Em Ribeirão Preto, São Paulo, vale a pena conhecer o Parque da Cidade. A cidade de Cristalina, em Goiás, tem pedras semi-preciosas de todas as cores. 

10- Onde fica o Parque da Cidade?
a) Distrito Federal
b) Goiás
c) Minas Gerais
d) São Paulo.


Muita gente acredita que faz mal comer manga com leite. Há muito tempo essa crença passa de pais para filhos. Mas o médicos afirmam que não há problema, pois essa mistura nunca faz mal.

11- Qual a opinião dos médicos?
a) Essa mistura nunca faz mal.
b) Há tempo as pessoas pensam assim.
c) Manga com leite faz mal.
d) Muita gente acredita que faz mal.

O Trem de Ferro

O dono da fazenda estava na rede na varanda de casa, quando veio um carro buzinando, calmamente ele foi abrir o portão e desceram os engenheiros.
- Viemos informar que a nova ferrovia vai passar dentro de sua fazenda. Disse um dos engenheiros.
- Ferr... o que, moço?
- Ferrovia... o trem de ferro!- Repetiu o engenheiro.
- O senhor ta dizendo que o trem vai passar aqui dentro da minha fazenda?
- Exatamente.
Então, calmamente o fazendeiro disse:
- Olha aqui moço. Se o trem quiser vir, pode vir. Mas se ta achando que, todo dia, eu vou abrir a porteira pra ele passar , ta muito enganado.

                                       Ziraldo, anedotinhas do Bicho da Maça São Paulo:Melhoramentos.

12 – Os engenheiros chegaram à fazenda para informar ao dono que:
a) Eles eram os novos donos da fazenda
b) O trem de ferro passaria dentro da fazenda dele
c) Ele precisaria abrir a porteira todos os dias
d) A ferrovia queria comprar sua fazenda

13 – Quem é Ziraldo?
a) O dono da fazenda
b) O engenheiro
c) O autor do texto
d) O dono da ferrovia

 Joãozinho se queixou à mãe:
- Mãe, tem um percevejo na parede.
- Cale a boca, João. E não é percevejo. É prego.
- Mãe, tem um percevejo na parede.
- Não amole. Já disse que é um prego.
- Mãe... tem um prego andando na parede.

14 – A anedota poderia fazer parte de um livro que tivesse como objetivo:
a) Oferecer ao leitor textos curtos e divertidos
b) Explicar como é possível um prego andar na parede
c) Informar sobre fatos que aconteceram de verdade
d) incentivar a coleção de pregos

O urubu chegou para o sapo e disse:
- Vai ter festa no céu.
O sapo abriu o bocão e falou:
- Oooooooooooooobaaaa!!!!!

15 – O que indica as exclamações?
a) Alegria
b) susto
c) Dúvida
d) Tristeza

São Paulo, 10 de junho de 1997.

Elisa

Estamos morrendo de saudades de você. Justo agora que você se mudou pra tão longe, o pessoal da rua inventou uma que você ia gostar.
Sabe o Jorginho, A mãe dele deixou a gente brincar no porão da casa dele.
Pena que você não está aqui! Quem sabe a sua mãe traz você no sábado. Você podia dormir em casa. De Itaquera até aqui é longe mas acho que dá. Vocês vêm de ônibus, não é? Faz uma força.
Dá uma resposta pra gente. Todo mundo ta mandando um beijão pra você.

Antonia


16- Esse texto é:
a) um anúncio
b) uma propaganda
c) uma carta
d) uma história


As faixas de segurança para pedestre são pintadas no asfalto e indicam por onde as pessoas devem atravessar a rua. Os motoristas devem parar o carro antes das faixas.

17- No texto acima, a palavra pedestre quer dizer:
a) Pessoas que dirigem carro
b) Pessoas que andam pela rua a pé
c) Pessoas descalças
d) Pessoas que pintam faixas de segurança.

Interpretação de texto

Brasil de Todos os Santos

Brasil, meu Brasil de todos os Santos
Descobrir a sua cara de espanto
Descobrir o seu encanto em um segundo
Um país que sonha ser o Novo Mundo
Matas, praias, céu, diamante e chapadas
Transamazônicas estradas te percorrem
Feito rios de águas e florestas
Transformando sua paisagem numa festa
Nas suas avenidas todas coloridas
Desfilam homens e mulheres
(...)
Laura Campanér e Luisa Gimene
Fonte: http://www.lyricstime.com/laura-campan-r-brasil-de-todos-os-santos-lyrics.html –
Acesso em: 30/10/08.

Texto 2
Desmatamento

Desde a ocupação portuguesa, o Brasil enfrenta queima de vegetação original e
desmatamento com o intuito de aumentar as áreas de cultivo e pastagens, bem como
facilitar a ocupação humana e, conseqüentemente, a especulação imobiliária.31
Caderno de Atividades
Estes procedimentos, ao longo dos anos, levaram à extinção de várias espécies vegetais e animais, à erosão e à poluição do meio ambiente em geral.
Fonte: http//www.geocities.com/naturacia/desmatamento.html - Acesso em: 15/05/06.

1. Na comparação dos textos I e II, pode-se afirmar que:
a) Os dois textos tratam do mesmo assunto – meio ambiente.
b) As nossas riquezas estão sendo bem tratadas ao longo dos anos.
c) O Brasil é rico pela sua natureza, pelo seu povo.
d) A vida do homem é mais importante que a natureza.

2. Com relação aos textos Brasil de Todos os Santos e Desmatamento, é correta a
alternativa:
a) Ambos enaltecem a paisagem natural do território brasileiro.
b) Os dois textos abordam o meio ambiente sob pontos de vista opostos.
c) Ambos apontam para a transformação causada pela poluição.
d) Os dois textos responsabilizam a ocupação portuguesa pelo desmatamento.


http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/cadernos_pedagogicos/ativ_port2.pdf

Interpretação de texto

Como um filho querido

Tendo agradado ao marido nas primeiras semanas de casados, nunca quis ela se
separar da receita daquele bolo. Assim, durante 40 anos, a sobremesa louvada compôs
sobre a mesa o almoço de domingo, e celebrou toda data em que o júbilo se fizesse
necessário.
Por fim, achando ser chegada a hora, convocou ela o marido para o conciliábulo
apartado no quarto. E tendo decidido ambos, comovidos, pelo ato solene, foi a esposa
mais uma vez à cozinha assar a massa açucarada, confeitar a superfície.
Pronto o bolo, saíram juntos para levá-lo ao tabelião, a fim de que se lavrasse ato de
adoção, tornando-se ele legalmente incorporado à família, com direito ao prestigioso
sobrenome Silva, e nome Hermógenes, que havia sido do avô.
 
Fonte: COLASANTI, Marina. Contos de amor rasgados. Rio de Janeiro: Rocco, 1986. p.57.


1. No conto “Como um filho querido” a esposa e o esposo foram ao tabelião com
intuito de:
a) Regularizar a situação de um parente registrando seu nome.
b) Registrar o nome do filho querido que há 40 anos fazia parte da família, mas
não tinha registro.
c) Lavrar o ato de adoção do bolo no tabelionato, e assim, incorporá-lo à família
como um filho querido com direito ao sobrenome da família Silva.
d) Lavrar o ato de adoção do filho querido para que o mesmo recebesse o
nome do seu avô paterno, Hermógenes.

2. A expressão no 2º parágrafo “Convocou ela o marido para o conciliábulo
apartado no quarto” significa:
a) A mulher chamou o marido para uma conversa séria no quarto a fim de convencê-lo de que era preciso dar um nome ao bolo e registrá-lo no tabelionato.
b) A mulher convidou o marido para uma breve reunião no quarto do casal na
qual decidiriam pelo registro do nome do bolo no tabelionato.
c) A esposa determinou ao marido que fosse ao quarto a fim de convencê-lo de
dar um nome e registro ao bolo no cartório por meio de uma comemoração
íntima.
d) A esposa pediu para o marido que a acompanhasse até o quarto onde decidiriam registrar o nome do bolo no cartório de registros por meio de uma
assembléia geral.



http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/cadernos_pedagogicos/ativ_port2.pdf

Interpretação de texto

Leia o poema abaixo para responder as questões 1 e 2.

Pássaro em vertical
Cantava o pássaro e voava
                 Cantava para lá
Voava para cá
Voava o pássaro e cantava
De
    Repente
                 Um
                       Tiro
                            Seco
               Penas fofas
                    Leves plumas
                    Mole espuma
           
             E um risco
             Surdo
                 N
                 O
                 R
                 T
                 E
                 S
                 U
                 L
Fonte: NEVES. Libério. Pedra solidão. Belo Horizonte: Movimento Perspectiva, 1965.


1. Qual é o assunto do texto:
a) Um pássaro em vôo, que leva um tiro e cai  em direção ao chão.
b) Um pássaro que cantava o dia todo.
c) Um pássaro que sonhava com a liberdade.
d) A queda de um pássaro que não sabia voar.

2. De que maneira a forma global do poema se relaciona com o título “Pássaro em
vertical”?
a) A disposição das palavras no texto tem relação com o sentido produzido.
b) As palavras “norte-sul” não foram escritas verticalmente no poema.
c) O fato de que o pássaro possui penas e/ou plumas fofas e leves.
d) O termo vertical pode ser associado ao vôo do pássaro.

http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/cadernos_pedagogicos/ativ_port2.pdf

Interpretação de texto

Leia o texto.
a coruja e a aguia
A coruja e a águia

Coruja e águia, depois de muita briga resolveram fazer as pazes.
 Basta de guerra — disse a coruja.
— O mundo é grande, e tolice maior que o mundo é andarmos a comer os filhotes uma da outra.
— Perfeitamente — respondeu a águia.
— Também eu não quero outra coisa.
— Nesse caso combinemos isso: de agora em diante não comerás nunca os meus filhotes.
— Muito bem. Mas como posso distinguir os teus filhotes?
— Coisa fácil. Sempre que encontrares uns borrachos lindos, bem feitinhos de corpo, alegres, cheios de uma graça especial, que não existe em filhote de nenhuma outra ave, já sabes, são os meus.
— Está feito! — concluiu a águia.

Dias depois, andando à caça, a águia encontrou um ninho com três monstrengos dentro, que piavam de bico muito aberto.
 Horríveis bichos! — disse ela. — Vê-se logo que não são os filhos da coruja.
E comeu-os.
Mas eram os filhos da coruja. Ao regressar à toca a triste mãe chorou amargamente o desastre e foi ajustar contas com a rainha das aves.
— Quê? — disse esta admirada. — Eram teus filhos aqueles monstrenguinhos? Pois, olha não se pareciam nada com o retrato que deles me fizeste…


Moral da história: Para retrato de filho ninguém acredite em pintor pai. Já diz o ditado: quem ama o feio, bonito lhe parece. 
                                     
                    Em: FábulasMonteiro Lobato, São Paulo, Brasiliense, s/d, 20ª edição. 


CONSTRUINDO O SENTIDO DO TEXTO


01. Quem são os personagens principais? 
02. A fábula tem algumas características especiais. Quais são elas? 
03. Como a coruja descreveu seus filhotes? 
04. Por que a águia não reconheceu os filhotes da coruja?

05. Segundo a moral, há uma diferença no modo de as pessoas perceberem as outras. Explique.

07. Transcreva uma fala de cada personagem do texto:

08 - Leia novamente o texto A coruja e a águia e assinale as alternativas corretas:
1) Um dia quando a águia estava caçando encontrou um ninho com:
a) dois filhotinhos lindos                           c) dois filhotinhos horríveis
b) três filhotinhos lindos                           d)três filhotinhos horríveis
2)  A coruja disse para a águia que seus filhotes eram:
a) lindos e tristes                                    c) lindos e alegres
b) alegres e feios                                    d) feios  e tristes
3) A águia quando encontrou os filhotes da coruja não os reconheceu porque:
(a) achou-os muito bonitos                      
(b) eles estavam dormindo
(c) eles eram horríveis para a águia   
(d) eles estavam piando muito alto
4) A moral “ Quem ama o feio, bonito lhe parece”, nos ensina que:
a) Não devemos amar as pessoas feias
b) Quando gostamos de alguém, mesmo que ela seja feia nos parecerá ser bonita.
c) O amor torna as pessoas mais feias
d) A beleza não é tudo.
5) A razão para a coruja considerar seus filhotes muito bonitos é porque:
(a) era cega              
(b) era muito convencida
(c) não enxergava muito bem
(d) era a mãe deles
6) Essa história trata especialmente de:
a) incompreensão   (b) mentira         ( c) esperteza          (d) ingratidão
7) Esse texto é:
(a) uma poesia  (b) Texto informativo   (c) um conto de fadas  (d) uma fábula


VOCÊ SABIA?

Esta fábula de Monteiro Lobato é uma das dezenas de varições feitas através dos séculos da fábulas de Esopo, escritor grego, que viveu no século VI AC.  Suas fábulas foram reunidas e atribuídas a ele, por Demétrius em 325 AC.  Desde então tornaram-se clássicos da cultura ocidental e muitos escritores como Monteiro Lobato, re-escreveram e ficaram famosos por recriarem estas histórias, o que mostra a universalidade dos textos, das emoções descritas e da moral neles exemplificada.  Entre os mais famosos escritores que recriaram as Fábulas de Esopo estão Fedro e La Fontaine. 
José Bento 
Monteiro Lobato, (Taubaté, SP, 1882 – 1948).  Escritor, contista, dedicou-se à literatura infantil. Foi um dos fundadores da Companhia Editora Nacional. Chamava-se José Renato Monteiro Lobato e alterou o nome posteriormente para José Bento.

Interpretação de texto

Numa tarde ensolarada, João e sua mãe saíram a passeio pelas alamedas da vizinhança 
em direção à praça. João se divertia pedalando a nova bicicleta que ganhara de Natal, 
enquanto sua mãe admirava-o com orgulho.
Lá chegando, a mãe acomodou-se em seu banco 
predileto enquanto João circulava animadamente 
ao redor da praça. Por alguns instantes a mãe 
não o enxergava, oculto pelas grandes árvores, 
mas ficava sossegada, pois conhecia a habilidade 
de João.
Cada vez que passava pelo banco da mãe, João 
acenava e ela olhava-o envaidecida.
Depois de passar várias vezes pela mãe, 
o menino resolveu demonstrar aquilo 
que tinha aprendido.
- Olhe, mamãe, estou dirigindo a bicicleta 
sem uma das mãos!
- Muito bem!
Alguns minutos depois, o filho volta dizendo:
- Mamãe, sem as duas mãos!
E a mãe apreensiva, lhe diz:
- Cuidado, querido, não a deixe embalar na descida.
Mais alguns minutos e ela se vira à direita para 
vê-lo, vindo em sua direção. Agora, equilibrando-se sobre a bicicleta:
- Veja, mãe, sem um pé!
E na volta seguinte:
- Mãããeee, sem os dentes!!
Pobre Joãozinho...  
                                                                                                                                        Eduarda Borges 

Marque X na resposta certa:

a) O texto fala sobre:
(  ) As aventuras de João com sua bicicleta.
(  ) O tombo de João.
(  ) A mãe de João.
(  ) A vida de João

b) A história acontece:
(  ) Numa rua movimentada.
(  ) Num parque da cidade.
(  ) Numa praça.
(  ) Numa vila.

c) A mãe de João estava apreensiva por que
(  ) O menino não queria ir embora.
(  ) O menino poderia cair da bicicleta.
(  ) O menino tinha desaparecido.
(  ) O menino não sabia andar de bicicleta

d) O texto termina dizendo "Pobre Joãozinho" por que
(  ) O menino quebrou a perna.
(  ) O menino chorou para mãe.
(  ) O menino caiu da bicicleta e quebrou os dentes.

e) O nome João é um substantivo:
(  ) próprio
(  ) comum

f) A palavra bicicleta é um:
(  ) adjetivo
(  ) substantivo comum

Atividade enviada por Valéria Morgana para  Professores Solidários. Interpretação de Texto sugerida para alunos de 4º e 5º ano.

Prova de português

Texto I

A FLORESTA DO CONTRÁRIO

Todas as florestas existem antes dos homens. Elas estão lá e então o homem chega, vai destruindo, derruba as árvores, começa a construir prédios, casas, tudo com muito tijolo e concreto.E poluição também. Mas esta floresta aconteceu o contrário. O que havia antes era uma cidade dos homens, dessas bem poluídas, feia, suja, meio neurótica. Então as árvores foram chegando, ocupando novamente o espaço, conseguiram explusar toda aquela sujeira e se instalaram no lugar. É o que poderia se chamar de vingança da natureza- foi assim que terminou o seu relato o amigo beija-flor. Por isso ele estava tão feliz, beijocando todas as flores- aliás, um colibri bem assanhado, passava flor por ali, ele já sapecava um beijão. Agora o Nan havia entendido por que uma ou outra árvore tinha parede por dentro, e ele achou bem melhor assim. Algumas árvores chegaram a engolir casas inteiras. Era um lugar muito bonito, gostoso de se ficar. Só que o Nan não podia, precisava partir sem demora. Foi se despedir do colibri, mas ele já estava namorando apertado uma outra florzinha, era melhor não atrapalhar.

(Fragmento do livro “Em busca do tesouro de Magritte.)


Texto II CIMENTO ARMADO

Batem estacas no terreno morto.
No terreno morto surge vida nova.
As goiabeiras do velho parque
E os roseirais, abandonados,
Serão cortados
E derrubados.
Um prédio novo de dez andares,
Frio e cinzento,
Terá seu corpo de cimento armado
Enraizado no velho parque
De goiabeiras
De roseirais.

Batem estacas no terreno morto.
Século vinte...
Vida de aço...
Cimento armado!
Batem estacas
No prédio novo de dez andares,
Terraços tristes
Pássaros presos,
Rosas suspensas
Flores da vida,
Rosas de dor

*****************************************************************

INTERPRETAÇÃO DO TEXTO

1) Assinale a opção correta.

a) Os autores dos dois textos falam sobre o mesmo assunto. O assunto abordado nos dois textos é:
(x ) A devastação e destruição da natureza causada pelo homem.
( ) A preservação dos recursos naturais.
( ) Nenhuma das alternativas anteriores.

b) Apesar de abordarem o mesmo assunto, os resultados são diferentes em cada texto, porque:
(x ) no primeiro texto a natureza saiu vitoriosa ao recuperar seu espaço outrora perdido, enquanto no segundo texto os pássaros e as rosas sofrem a consequência da construção de mais um prédio de dez andares.
( ) no segundo texto a natureza saiu vitoriosa ao recuperar seu espaço outrora perdido, enquanto no primeiro texto os pássaros e as rosas sofrem a consequência da construção de mais um prédio de dez andares.

c) Para “expulsar toda aquela sujeira” e se instalarem no seu lugar, as árvores tiveram que lutar. A parte do texto que confirma o fato de certas árvores conservarem os sinais de sua luta é :

( ) “ Todas as florestas existem antes dos homens.”
(x ) “ Algumas árvores chegaram a engolir casas inteiras, por isso uma ou outra árvore tinha parede por dentro.”

d) No texto II o poeta fala do prédio como se ele fosse uma pessoa em :

( ) ” Um prédio de dez andares.”

(x ) “ Terá seu corpo de cimento armado.”

e) O poeta se refere a pássaros presos, terraços tristes, porque :

( ) os terraços são pintados de preto e cinza.
( x) os terraços ocuparam o espaço da vegetação, a alegria dos animais e com o agravante de que nas cidades, as pessoas costumam prender os pássaros em gaiolas.

2) Escreva certo ou errado de acordo com os textos:

a) No texto II o autor utiliza a palavra “enraizado” como se o prédio fosse uma árvore. (certo)

b) As goiabeiras e os roseiras foram conservadas após a construção do novo prédio. (errado)

c) No texto I a história é fato real, enquanto que no texto II é imaginário, pois jamais destruiriam a natureza para construir um prédio. (errado)

d) No texto I, ao tomar a cidade e devolver a vida aos seres da floresta, as árvores consideraram uma vingança da natureza. (certo)

e)Os pássaros do Texto II eram tão felizes quanto os pássaros do texto I. (errado)


**********************************************************

III- GRAMÁTICA Valor: 10,0 ( 20 ac x0,5) Nota :

1. Em que conjunto a letra x representa o mesmo fonema?

a) tóxico - taxativo
b) enxame - inexaurível 
c) intoxicado - exceto
d) têxtil – êxtase x
2.Não são paroxítonas as palavras:

a) salada - varanda - tarde d) amanhã - última - perdão xb) leite - escada - senhora e) verdade - presença - janela
c) violetas - brigas – mesa

3.Aponte o único conjunto onde há erro de divisão silábica:

a) flui-do, sa-guão, dig-no
b) cir-cuns-cre-ver, trans-cen-den-tal, trans-pa-ren-te
c) con-vic-ção, subma-ri-no, rit-mo xd) ins-tru-ir, an-te-pas-sa-do, se-cre-ta-ri-a
e) co-o-pe-rar, dis-tân-cia, bi-sa-vô

4.Assinalar a alternativa em que todas as palavras estão separadas corretamente:

a) mas-sa, i-gu-al, miú-da
b) cons-truir, igual, cri-ei
c) cri-ei, as-pec-to, mi-ú-da xd) me-da-lhões, pás-sa-ros, es-ta-çõ-es

5.De acordo com a separação silábica, qual o grupo de palavras abaixo está totalmente correto?

a) as-si-na-da, chei-ro, ma-de-i-ra
b) ex-ces-so, cac-to, des-cer xc) avi-so, per-spi-caz, em-pa-pa-da, pa-i-nei-ra
d) extra-or-di-ná-rio, ve-lha, fel-ds-pa-tomi-nha, in-fân-cia

6.Classificou-se, corretamente, o grupo vocálico da palavra dada em:

a) caótico - ditongo nasal
b) série - ditongo decrescente
c) estóico - ditongo crescente
d) viúva - hiato xe) pequei - tritongo

7.Devem ser acentuadas todas as palavras da opção:
a) taxi - juri - gas xb) ritmo - amor - lapis
c) chines - ruim - jovem
d) juriti - gratis - traz
e) açucar - abacaxi – molestia

8.A única alternativa em que nenhuma palavra deve ser acentuada graficamente é:
a)preto - orgão - seres
b)atras - medo - garoa
c)item - nuvem - erro xd)juri - governo -odio
e)tatu - cores – carater

9.Em que conjunto todas as palavras são oxítonas?
a)exame- xale- exceção
b)chapa- cachecol - próximo
c)nariz- bombom – urubu - xd)caju- caderno- lápis
e)trouxe- texto- léxico

10. Assinale a alternativa em que há erro de acentuação gráfica de acordo com a nova ortografia:
a)café – baú – ônibus
b)Coréia - idéia - enjôo xc)relâmpago - egoísta - contêm
d)órgão - lápis - saúva
e)concluí - além-túmulo – médium

11) São todos considerados epicenos os substantivos:
a)cobra- jacaré- pernilongo xb)leão- onça- girafa
c)gato- coelho- cachorro
d)avestruz- cavalo- boi
e)sabiá- coruja- bode

12) Assinale o conjunto em que todas as palavras não são substantivos comuns de dois gêneros:
a)estudante, dentista, motorista
b)cadáver, mulher, sabiá xc)indígena, colega, pianista
d)jornalista, estudante, artista

13) São sobrecomuns apenas os substantivos:
a)dentista-colega-jornalista
b)testemunha-indivíduo-vítima xc)cliente-artista-aranha
d)estudante-indígena-professor

14) Assinale a sentença verdadeira:
a)Todas as proparoxítonas são acentuadas. xb)As oxítonas terminadas em i ou u que não sejam acompanhadas de hiato são acentuadas.
c)As paroxítonas terminadas em a , e ou o são acentuadas.
d)As oxítonas terminadas em i,u, is, iz ou us são acentuadas .
e)Nem todas as proparoxítonas são acentuadas.

15) Complete as frases com por quê, por que, porque ou porquê:
___ ____________ não foi à faculdade? Por queNão fui à faculdade ________________ não quis. porqueEu queria saber o _______________de você faltar tanto às aulas.porquê___ Você está gritando _________________? por quê___Eu me proecupo com você. ___________________, não posso?por que___ Não se preocupe tanto, ____________________ já sou um homem capaz e reponsável.porque 

****************************************************

IV-ORTOGRAFIA

1) Escreva no quadro as mudanças feitas em nosso vocabulário conforme o acordo ortográfico:

Norma atual Acordo ortográfico
anti-religioso antirreligioso
fim-de-semana fim de semanalêem leem
dêem
vêem
pára (verbo parar) apóio jóia microondas arquiinimigo

2) Complete as palavras com esa ou eza :

a) chin.............. b) limp............ c) nobr...........

3) Complete com izar ou isar :

a) civil.......... b) al.......... c) revi.......... d) valor.............

4)Complete com ex ou es :

a)t.....to b) ............cola c) ........periência d) ..........plosão

5)Apenas uma entre as demais palavras de cada grupo está escrita de forma incorreta. Identifique-a e escreva da forma correta:

a)estádio- escola- estração -------------------------------extraçãob)péssimo-vasoura- assunto-----------------------------vassourac)desca-cresça-aparesça---------------------------------apareçad)excelente-excepcional-excência------------------------essência



http://suzettepaula.blogspot.com.br/2009/03/prova-de-portugues-5-ano-do-ensino.html